segunda-feira, junho 13, 2011

Há algum tempo atrás, deparei-me a falecer nos braços de alguém. Sugaram-me a alma, tomaram-me o corpo e quando dei por mim, encontrava-me isolada num mundo onde só existia eu e as mil e uma ilusões que criei, as pequenas concepções que se apoderaram na minha vida outrora, tornaram-se reais. Encostando os joelhos ao meu peito, rodeando os meus braços sob as pernas e encostando a cabeça na parede vivia na crença em que o desconhecido do amanhã recorreria com maior bravura e com menor solidão. Caminhei por entre escombros ocultos, com caminhos desconhecidos e confusos à espera que alguém me indicasse o caminho certo a seguir. Mas a verdade, é que mesmo sem a ajuda de alguém percorri esse caminho sempre descalça, sob aquele chão conspurco e oscilante, lotado de dificuldades alheias. Após o cansaço e das rupturas na ânsia de encontrar a paz interior, procurei o equilíbrio num mundo desequilibrado onde me amarrei aos meus passos acertados e fieis e decidi viver sozinha, apenas com contacto comigo mesma e de mão dada com o meu interior. E disto, fiz a minha vida durante bastante tempo, fazendo planos parvos e cruéis para o meu futuro próximo!
E assim, sentada sobre o frio e o ar da noite, vou reflectindo e achando propósitos para o 'porquê' de teres vindo até mim. Subitamente, baralhaste tudo aquilo que me pertencia somente a mim, mexeste e remexeste em tudo aquilo que não era teu e de um momento para o outro, já estava eu agarrada a ti de uma forma única e de tal maneira vincada.

11 comentários:

  1. Não arranjo palavras para descrever os teus textinhos, juro ... adoro a maneira como usas as palavras, o que resulta sempre num post maravilhoso <3

    ResponderEliminar
  2. Tenho um desafio para ti:
    http://isittrue23.blogspot.com/2011/06/desafio.html
    Beijoo (:

    ResponderEliminar
  3. Quando o que era nosso passa a ser de outros também, soa a estranho e novo, mas nem sempre é mau ;)

    ResponderEliminar